Mas o que significa politicamente correto?! Jô Soares vem defendendo que os políticos é que precisam ser mais politicamente corretos, e, não somente os humoristas, no caso dele. Possivelmente amplia-se a idéia do artista à sociedade, às empresas, às instituições, às pessoas, com certeza também aos políticos, que precisam ser cada vez mais politicamente corretos. E precisam ser cada vez mais corretos politicamente, socialmente, ambientalmente e humanamente.
A expressão politicamente correto se firmou na língua inglesa como designação no uso da linguagem. Segundo Wikipédia, ao evitar termos discriminatórios, trabalha-se para uma sociedade mais inclusiva e igualitária. Há os que são contra ao politicamente correto, acreditando que é apenas uma forma de opressão a linguagem, e, principalmente um mecanismo paradoxal de discriminação, como o caso do uso do afrodescendente, pessoa verticalmente desfavorecida, entre muitas outras denominações e facções, já que na própria Carta Magna art. 5º insere sobre a igualdade de dignidade e de direito.
Ao fragmentar a referida expressão, cabem ao menos duas definições, de politicamente, em suma política, e, de correto. Segundo Dicionário Aurélio política é 1. Ciência do governo dos povos. 2. Ato de dirigir os negócios de uma nação ou estado. 3. Aplicação dessa arte nos negócios internos (política interna) ou externos (política externa) de uma nação. 5. Astúcia, artifício. 6. Civilidade. 7. Maneira hábil de agir. E correção significa 1. Ato ou efeito de corrigir(-se). 2. Qualidade de correto. 3. Exatidão, rigorosidade. 4. Retoque, polimento. 5. Admoestação, aviso.
A política tem seus primórdios com os gregos (conceitualmente), e mais contemporaneamente está relacionada ao estudo de atividades humanas referentes às coisas do estado, tais como, trabalho, lazer, estudo, comunicação, moral, legal, etc. Pode-se perceber que a política permeia diferentes assuntos quanto as atividades e atitudes humanas, e que torna os cidadãos também participantes politicamente.
Quanto a ser correto, possivelmente depende de costumes, de valores; mas, sobretudo à sociedade, ao cidadão, às organizações, aos políticos, à humanidade vale o fazer direito, bem feito, com respeito, e guardando a cada qual o seu real valor, como diria Charlie Chaplin “não se mede o valor de um homem pelas suas roupas ou pelos bens que possui, o verdadeiro valor do homem é o seu caráter, suas ideias, e a nobreza dos seus ideais”. O mesmo Chaplin, no clássico ‘O grande ditador’ em seu discurso final proclamava “[...] mais do que de máquinas precisamos de humanidade; mais do que de inteligência, precisamos de afeição e doçura [...]”.
Mais do que uma expressão, politicamente correto, aponta como uma atitude a ser valorizada, experimentada e vivenciada. Mais do que se expressar politicamente correto, cabe se comunicar sem hipocrisia, olhar sem preconceito, compreender com sabedoria, agir habilmente com correção e civilidade. E quiçá se possa ter uma educação mais correta, uma economia mais justa, uma política mais honesta, uma humanidade mais humana, um mundo mais sustentável e uma vida mais digna.

Christian Portugal Leite é Tutor na Universidade Salvador – UNIFACS, e, consultor de empresas.



Texto publicado no Jornal do Sol, nº316 – Setembro de 2011

0 comentários :

Postar um comentário

 
Top