“Em todas as coisas o sucesso depende de uma preparação prévia.” Confúcio


Esse texto discute a possível diferença entre aluno e estudante. Possivelmente, há diferenças conceituais, etimológicas e até comportamentais entre esses dois atores do processo de educação. Para tal buscou-se artigos e textos sobre o tema em questão. Bem resumidamente aluno é aprendiz; estudante busca o conhecimento. Então, se pode ser aluno e não ser estudante, ou seja, ser um bom aluno não significa ser um bom estudante, mas se é bom estudante, consequentemente é bom aluno.

A etimologia da palavra aluno deriva do verbo alére "aumentar, crescer, desenvolver, nutrir, alimentar, criar, sustentar, produzir, fortalecer etc”. A palavra estudante desde a origem do termo significa “aquele(a) que estuda”. Substancialmente não é o mesmo ser alimentado e alimentar-se. Segundo Ricardo Morgado e Edgar Romão conselheiros do CNE (Conselho Nacional de Educação) “o que se exige é a transição da passividade pedagógica à atividade didata”. E ainda ressaltam que “a consolidação da educação; é a destilação da qualidade de quem somos”.

A partir dessas premissas pode-se considerar que ser aluno é uma atividade simples, porém, alcançar a condição de estudante com autonomia, iniciativa, dedicação e responsabilidade com o conhecimento exige esforço e disciplina. A escola é o ambiente apropriado para essa transformação, com exercícios de preparação para a vida e mais especificamente no ensino superior preparação para a vida profissional. Especialistas ainda afirmam que não apenas universidades tem o papel de alguma forma ajudar no processo de formação dos futuros profissionais. Aliás, a respeito do dever das escolas de ajudar no desenvolvimento do aluno com vistas ao mercado de trabalho é um fundamento estabelecido em lei nas Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

Para Claudio de Moura Castro, especialista em educação e colunista da VEJA, “a proposta correta para a capacitação para a vida profissional significa: ensinar a ler, escrever e falar adequadamente, fazer bom uso de números e discutir ética”. Moura Castro destaca que habilidades essenciais aos profissionais atuais e do futuro são decorrentes da boa leitura, da boa escrita e da capacidade de comunicar-se. E nesse momento de aprendizado dissolve-se a fronteira entre o acadêmico e o profissional para o mercado de trabalho, e ainda sentencia "todos os profissionais precisam saber resolver problemas, falar em público e trabalhar em equipe”.

Importante ressaltar os muitos casos de profissionais de sucesso sem escolaridade, mas não sem esforço, estudo e aperfeiçoamento. Segundo Albert Einstein “o único lugar que o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário”, e antes do sucesso vem a dedicação, o estudo, a preparação. Diante do exposto o dever do aluno, especialmente do ensino superior é transformar-se em estudantes profissionais, e consequentemente transformar-se de simples funcionários, empregados, patrões à colaboradores, empreendedores, líderes, cientistas.

Texto publicado no Jornal do Sol - Porto Seguro (Fev.2012 - nº321)
Christian Portugal Leite é Tutor da Universidade Salvador – UNIFACS, e, consultor de empresas.

0 comentários :

Postar um comentário

 
Top