A ênfase é em prevenção de incapacidade.

O município de Porto Seguro se mobiliza na luta contra a hanseníase. A Secretaria de Saúde realizou, no mês de março, um curso de capacitação para médicos e enfermeiros, com ênfase em prevenção de incapacidade. A iniciativa é parte das ações de busca ativa de novos casos da doença, que é o acompanhamento de casos suspeitos e de confirmados, em áreas consideradas endêmicas. Além disso, o objetivo é identificar, avaliar e disponibilizar tratamento para pacientes com risco de evoluir para incapacidade física. “Essa é a importância do diagnóstico precoce: se o paciente descobre cedo que está com a doença, pode se tratar e ficar sem seqüelas”, alertou a médica de referência do município, Dra. Sandra Regina Carvalho.
Os profissionais atualizaram seus conhecimentos desde as formas de detecção da doença, como uma avaliação minuciosa de manchas e forma de tratamento.



Em novembro do ano passado, o município participou da Campanha Sintomáticos de Pele, do Ministério da Saúde e SESAB. Na ocasião, foram convidados aos postos de saúde pessoas de contato com pacientes e ex-pacientes com hanseníase e aquelas que apresentassem manchas ou feridas na pele. Segundo a coordenadora local da campanha, a enfermeira Flaviane Siman, ao todo, foram atendidas 534 pessoas, das quais 24 tiveram diagnóstico de hanseníase.

Redução de casos

O Brasil mantém a queda na incidência de hanseníase. A ocorrência em menores de 15 anos, por exemplo, caiu de 5,36 casos em cada 100 mil habitantes, para 4,77 por 100 mil habitantes.

Em Porto Seguro, devido à intensificação nas ações de vigilância, como a busca ativa, os números mostram redução da subnotificação (o que significa maior conhecimento dos casos existentes) e diagnóstico precoce de casos.

O que é hanseníase

É uma doença crônica, infecto-contagiosa, causada pela bactéria Mycobacterium leprae. Afeta pele, nervos e principalmente mãos, pés, braços, coxas, pernas e rosto. Se não tratada, pode levar a deformidades que incapacitam para o trabalho e socialmente. No passado foi responsável pela mutilação de muita gente e segregação, devido à rejeição por parte da sociedade. É transmitida de pessoa não tratada para outras pessoas, pelas vias respiratórias. Atinge pessoas de ambos os sexos, qualquer idade ou classe social. Os principais sintomas são manchas esbranquiçadas, róseas ou avermelhadas, dormência na região manchada, nas mãos e nos pés.

A doença tem tratamento e cura. O tratamento, que leva de seis a doze meses, é chamado poliquimioterapia (PQT). É gratuito (está disponível em todas as Unidades Básicas de Saúde), seguro e feito com a ingestão de 1 ou 2 medicamentos diários, de acordo com a forma clínica da doença. Nunca deve ser interrompido, para garantir o extermínio do bacilo. O diagnóstico precoce e o acompanhamento regulares por profissionais de saúde são imprescindíveis para a cura.

Em Porto Seguro, casos específicos podem ser tratados no Atendimento Médico e Especialidades (AME), localizado na Rua Cova da Moça, s/n, Centro, também pelo SUS.

Alexandra Soares

Secretaria de Governo e Comunicação

Assessoria de Saúde

0 comentários :

Postar um comentário

 
Top