Em abril, no bairro de Coroa Vermelha em Santa Cruz Cabrália - BA, onde há a maior concentração indígena do Brasil em área urbana (5.000 índios pataxós), aconteceu uma palestra sobre a cultura indígena pataxó ministrada pelos professores Ajuru e Ademário da Escola Indígena de Coroa Vermelha.


Ajuru Pataxó fez palestra sobre as Tradições da Cultura Indígena para os Alunos do Projeto Ambiente Musical


As conquistas do povo indígena para o reconhecimento dos seus direitos e demarcações de terra foram citados.
Os professores têm muito orgulho de terem estudado ensino superior e hoje eles mesmos poderem ensinar as suas crianças.
Relataram que a Escola Indígena de Coroa Vermelha tem um projeto em andamento sobre o ensino da língua patxohã aos alunos.
"Resgatar e preservar a nossa cultura é muito importante para o nosso povo e nossas tradições" comentou Ademário.
Apesar de viverem em meio urbano, usando roupas do homem branco e morar em casas de alvenaria, possuírem televisão e outros eletrodomésticos, preservar e disseminar a cultura pataxó é uma forma de garantir a identidade dos indígenas.
O resgate das danças e cerimônias como os casamentos tiveram uma retomada mais forte devido as comemorações dos 500 anos do Descobrimento do Brasil em 2000.

Ademário Pataxó - os antigos costumes indígenas e os tempos de globalização podem existir em harmonia.

Ajuru relatou a trajetória histórica de seu povo e ao contrário do que muitos pensam os pataxós não estavam aqui na época do Descobrimento e sim os tupis. Os pataxós eram um povo nômade e muito depois, somente no século XX vieram a morar na região do Descobrimento. E a demarcação indígena só foi reconhecida oficialmente em 1998.

Alunos prestam atenção e tiram dúvidas sobre a cultura Pataxó.

Os professores comentaram que a grande dificuldade de preservar o conhecimento sobre as ervas medicinais é o fato dos jovens indígenas não se interessarem por receber esses ensinamentos dos mais velhos. Hoje são poucos os idosos que guardam essa sabedoria. Outra dificuldade é não ter a mata por perto, por serem uma aldeia urbana fica mais difícil ainda encontrar e cultivar determinadas espécies. Bem próximo de Coroa Vermelha, há um viveiro de mudas e plantas medicinais na Aldeia da Jaqueira, onde moram 50 índios pataxós em 800 hectares de Mata Atlântica. Recebem turistas o ano todo e mostram como eram as ocas, modo de caçar, alimentar e viver de seus ancentrais. No final do passeio as crianças são convidadas a brincar de arco e flechae os artesanatos ficam expostos para venda. É uma forma sustentável de preservar a Cultura.


Awêre (Obrigado) professores!

0 comentários :

Postar um comentário

 
Top