Elaborar uma espécie de manual, um “Passaporte de Porto Seguro” com informações corretas e normas de conduta para acolher bem quem visita a cidade, respeitando o meio ambiente, diversificando e qualificando os eventos da cidade. Essa foi uma das propostas lançadas durante a mesa redonda “Porto 2013-Turismo Responsável, desafios e Propostas”, promovida pela Associação Ítalo-Brasileira-AIB de Porto Seguro “Anita Garibaldi”, no último dia 13, que reuniu mais de 200 pessoas no plenário da Câmara dos Vereadores. .

O presidente da AIB, Ennio Gorrieri, abriu o encontro, pedindo 5 minutos de silêncio em homenagem a Salvatore Lauretta, que faleceu afogado na praia de Ponta Grande. Em seguida, Jeferson Morgado, do Movimento Defesa de Porto Seguro defendeu a valorização dos Parques Nacionais de Monte Pascoal e do Descobrimento. Já o diretor geral do La Torre Resort, Luigi Rotunno abordou o tema da hospitalidade, “O turista quer sentir do outro lado um ser humano atencioso e não somente uma pessoa interessada no dinheiro dele”, frisou Luigi Rotunno, “todas as categorias, do policial ao recepcionista, do marinheiro ao gari ao taxista, o guia de turismo, o motorista de ônibus, todos deveriam ter um Passaporte de Porto Seguro, com todas as informações corretas sobre a cidade”.

O vice-prefeito eleito de Porto Seguro Humberto Nascimento falou de eventos e da necessidade de diversificar, “precisamos de eventos diferenciados, na baixa temporada, por exemplo temos que reformular o festival gastronômico que têm grandes potencialidades”. O vereador Paulo Onishi, falou da Copa FIFA 2014 e da necessidade de “respirar o clima da Copa do Mundo”, segundo ele Porto Seguro precisa do engajamento de todo para aproveitar os avanços feitos para receber uma seleção como Centro de Treinamento, “a boa notícia é que já foram empenhados R$ 5,5 milhões para reformar o Estádio Municipal Antônio Carlos Magalhães, mas na cidade precisa de um movimento geral em prol da Copa”, ressaltou Pulinho.

Segundo o vereador Gilvan Florêncio, turismo responsável passa pelo cumprimento das regras existentes, ”um crescimento responsável tem que passar pelo respeito do código de postura do município, bem como do plano diretor e outras normas”, explicou Gilvan, O empresário do segmento náutico e naval Enrico Foglia, citou o exemplo da cidade de Porto Belo, perto de Florianópolis, que recebe 110.000 turistas por ano como escala de navios de cruzeiro, “precisamos adaptar o píer com um flutuante e uma passarela, mas Porto Seguro é muito mais bonita e com mais potencialidades”.



O coordenador do evento, Antonio Tamarri, passou a palavra à plateia, representantes dos taxistas falaram do taxímetro, e Cidadão levantou a questão social, “turismo não combina com miséria, precisamos enfrentar os problemas sociais nos bairros”. O historiador Romeu Fontana fez um breve relato da história do Turismo e das secretarias de turismo na cidade de Porto Seguro. O vereador Miguel Balejo encerrou o encontro ressaltando a importância da parceria entre poder público, empresários e sociedade civil organizada“.



Antonio Alberghini / Mídia Mutá

0 comentários :

Postar um comentário

 
Top