Vitrine da Costa




Colunista do Vitrine da Costa falando sobre o seu amor aos animais, a minha amiga de infância Paula Szyfer foi capa da Uol e da Folha nesta linda matéria sobre superação e  vitória... Parabéns amiga!

RAQUEL BOCATO
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

A corretora de imóveis Paula Szyfer, 55, fez três tratamentos para sarna e outros tantos para alergia, até que, 11 meses depois dos primeiros sintomas, teve o diagnóstico de linfoma de Hodgkin, câncer que se origina nos linfonodos (gânglios) do sistema linfático. Sem família para dar apoio, procurou a Abrale (Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia), onde recebeu atendimento psicológico e jurídico gratuito. "O que a gente mais quer na vida é ter informação -foi isso o que recebi lá. A Abrale é minha família", diz ela, que hoje está curada.

Além de oferecer assistência a pacientes com doenças graves no sangue, a Abrale, liderada pela finalista do Prêmio Empreendedor Social 2013 Merula Steagall, produz e dissemina conhecimentos na área onco-hematológica, com impacto em políticas públicas.

Leia seu depoimento:

"Comecei a ter pneumonias sem causa e uma alergia insuportável em outubro de 2006. Foram quatro internações seguidas. Eu coçava, e a pele sangrava. Ninguém conseguia descobrir o que era. Fiz três tratamentos para sarna, mas as feridas no corpo só aumentavam.

Onze meses se passaram, com dores nos ossos e musculares, febre e tosse. Até que, em agosto de 2007, fui para o hospital novamente. Pedi para dormir -havia dois meses que eu não sabia o que era isso. Eu não aguentava mais.

O médico me examinou e pediu internação. Depois de ressonâncias, tomografia e biópsia, recebi a notícia de que tinha linfoma de Hodgkin, estágio 4, o mais grave de todos. Em resumo: estava com câncer do pescoço para baixo.

O tratamento era muita quimio e radioterapia, além de transplante de medula. 'E se eu não fizer nada?', perguntei para o médico. 'Talvez você viva três ou quatro meses', ele respondeu.

Como não tenho família que pudesse me dar apoio, perguntei se existia alguma associação e me indicaram a Abrale. Fui pessoalmente. Comecei sessões de terapia e recebi carinho.

Foi a Abrale que entrou na Justiça contra a seguradora e liberou meu primeiro PET Scan [tomografia que permite diagnósticos mais precisos]. Também foi lá que consegui tratamento odontológico gratuito, depois de perder 12 dentes por causa da quimioterapia e dos corticoides.

Em dezembro de 2007, peguei os exames e liguei para o médico. Ele disse: 'Você está melhor'. Quatro meses depois, finalmente, terminaram as quimioterapias. Recebi alta em agosto deste ano. Não sei se ganhar na Mega-Sena provoca a mesma sensação de felicidade.

Quem está na associação ajuda os outros pacientes por amor. O que a gente mais quer na vida é ter informação -foi isso o que recebi lá. A Abrale é hoje minha família."


UOL

2 comentários :

  1. todas as pessoas que passam por isso tenho a benção de DEUS , a cura .

    ResponderExcluir

 
Top