No início da década de 1990, o crescimento de casos de aids entre as mulheres e da transmissão do HIV de mãe para filho alertou a sociedade. Hoje, estimativas da Unaids apontam as mulheres como metade dos soropositivos no mundo. Na América Latina, elas representam 550 mil.

Plano de Enfrentamento da Feminização
Lançado em 2007 e revisto em 2009, a resposta brasileira contra a epidemia é um conjunto de ações que visa a combater as situações que vêm tornando a população feminina mais vulnerável ao HIV.

Planos estaduais
Cada estado instituiu um grupo de trabalho para elaboraçao e acompanhamento da implementaçao do Plano.


Agendas afirmativas
Conheça as recomendações do governo para mulheres soropositivas, prostitutas, transexuais, lésbicas e bissexuais.
A partir da discussão sobre as especificidades de alguns segmentos de mulheres (relevância, prevalência, invisibilidade), foi aberto um diálogo entre o governo e a sociedade civil. Representantes desses segmentos reafirmaram a necessidade da construção de Agendas Afirmativas que possam contribuir para a promoção da equidade de gênero, reconhecimento das diversidades e dos contextos de vulnerabilidade de:
mulheres adultas, adolescentes e jovens vivendo com HIV/Aids
prostitutas
mulheres que vivenciam a transexualidade
lésbicas, bissexuais e mulheres que fazem sexo com outras mulheres.
Para a consolidação desse processo, houve, a partir de 2007, diferentes momentos de discussão para uma análise participativa dos vários contextos de vulnerabilidade e a elaboração de um conjunto de recomendações específicas – agenda afirmativa - que integram o presente documento.
Vale ressaltar que a resposta à feminização da epidemia junto a esses segmentos não se propõe a esgotar com o estabelecimento dessas agendas, mas sinalizam um olhar inicial do processo, que tem como objetivo central dar visibilidade a esses segmentos de mulheres e suas especificidades e contribuir para a construção de estratégias que reduzam as vulnerabilidades, promovendo o enfrentamento da feminização do HIV/Aids e outras DST, nas três esferas de gestão.

0 comentários :

Postar um comentário

 
Top